Membro de gangue acaba preso após tatuar cena de crime no corpo.

Em 2004, um membro de uma gangue de Los Angeles, chamado John Juarez, acabou sendo assassinado. O processo foi conduzido por Kevin Lloyd, responsável pela divisão de homicídios, mas acabou sendo arquivado por falta de pistas.

Quatro anos depois, enquanto vasculhava algumas fotos de integrantes de gangues, o sargento Kevin acabou tendo sua atenção presa por um sujeito.

Sem camisa, Anthony Garcia, de 25 anos, trazia uma cena completa no corpo. A tatuagem ilustra os acontecimentos que originaram a morte de John Juarez.

A tatuagem mostra um helicóptero dando tiro em um amendoim em frente a uma loja de bebidas. A lógica da imagem aparece quando você conhece os apelidos dos envolvidos. Anthony é chamado de “Helicóptero” e John era conhecido pelo seu grupo como “Amendoim”.

Segundo a polícia, a tatuagem é tão reveladora, que descreve até a trajetória das balas e a posição em que o corpo de John foi encontrado.

Você pode estar se perguntando como Anthony deixou ser fotografado com tamanha facilidade. O problema é que ele foi detido em agosto de 2008 por estar dirigindo com uma carteira de motorista vencida.

Para acabar de vez com a sorte de Anthony, a polícia californiana armou uma cilada. Colocaram alguns policiais disfarçados numa sala e extrairam declarações bem comprometedoras. Anthony admitiu que havia abordado John e atirado nele.

De acordo com o Los Angeles TImes, a gravação foi usada para incriminar Anthony, que foi culpado por homicídio. Ele pode pegar prisão perpétua.

via

Comentar